COLUNA TEXTOS VIDA IMAGENS RECADOS

Constituinte sob suspeição

Brasília — Merecem reflexão as declarações do Senador Petrônio Portella classificando a mobilização popular para convocação de uma Constituinte, defendida por alguns setores oposicionistas, como "movimento de origem indeclinável e objetivos desconhecidos". Justificou sua estranheza pelo fato de não dispor o MDB de maioria no Congresso para fazer valer a sua vontade, o que, traduzido, quer dizer que a Assembléia Constituinte somente poderia ser convocada mediante meios, recursos ou expedientes estranhos à legalidade vigente, ou seja, revolucionariamente.

Há pelo menos três documentos públicos propondo a mobilização para convocação de uma Assembléia Nacional Constituinte. O primeiro produzido pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados; o segundo, um discurso pronunciado no Senado pelo Sr Marcos Freire; e o terceiro, uma nota ou comunicado da Executiva Nacional do MDB informando ter decidido encaminhar consulta aos seus Diretórios Regionais sobre a idéia. Aparentemente, [...]
28/04/1977

“Ataliba, se você quiser ler o jornal, compre amanhã, porque não vai ler aqui não.” Aí ele olhou pra mim assim... Ele era muito calmo. Disse: “Já sei, não tem importância, um dia eu volto.” (março de 1945, quando acabou a censura)

Carlos Castello Branco, o repórter do Brasil
Texto de Zózimo Tavares

"O Piauí teve, sim, outros expoentes, mas foi Carlos Castello Branco, o menino da Rua da Glória, a nossa glória maior”

Durante mais de meio século, ele foi o repórter político do Brasil. Um repórter que soube interpretar o país, na agonia de duas ditaduras e na esperança de duas redemocratizações; no suicídio de um presidente da República (Getúlio Vargas), na renúncia de outro (Jânio Quadros), na deposição de mais um (João Goulart) pelas armas e no impeachment de outro (Fernando Collor) pelas armações. [+]

Ao metre
Texto de Merval Pereira

No dia 25, o jornalista Carlos Castello Branco, uma espécie de patrono dos colunistas políticos brasileiros, o maior entre nós todos, teria feito 90 anos. Reproduzo aqui trechos do prefácio que escrevi para a reedição de seu livro clássico “Os militares no poder”, da Editora Record. E adianto que brevemente estarei lançando um livro, pela mesma editora, com o título de “O lulismo no poder”, uma homenagem ao mestre. [+]

Na seção TEXTOS você encontra todas as "Colunas do Castello" publicadas diariamente entre os anos de 1963 a 1993, além de entrevistas, discursos e correspondências. [+]

Os fatos narrados de forma precisa, clara e direta.
Desde Jânio Quadros até Fernando Henrique Cardoso.
[+]